Elder Prior

Todos os direitos reservados ©


CAMINHANDO E PLANTANDO

Nos caminhos da vida espalhei as sementes,
As primícias de uma nova vida,
Cansado de apenas andar nas vertentes,
Decidi estancar minha ferida.

Meu caminho cheio de pedras e espinhos,
Devo preparar para a terra cultivar,
Assim como os pássaros fazem seus ninhos,
Devo eu minha terra semear.

Depois de plantar em tal terra árida,
As águas do Céu devem entrar em seu meio,
Pois, sementes, pelas energias do céu estão ávidas,
Ali que preparam seu leito, seu seio.

Vem! Vamos embora! Dizia o poeta.
Esperar não é Saber,
Caminhando e plantando se faz acontecer.




ESTAÇÕES

Mudaram as estações, e a humanidade não consegue sintonizar.
As rádios que tocavam musicas falando de índios,
Hoje abrem sintonia para a verborragia religiosa.

O trem passa pelas estações carregando pessoas inertes,

Que se congelam entre uma estação e outra.
Parados, imobilizados pela obrigação da rotina.

Uma pedra no sapato, ou uma pedra que derrubou o gigante,

É a mesma pedra que foi colocada em cima do assunto.
Mas ainda falam de ecologia,
E ainda falam de desmatamento, falam de poluição.
Sonora? Visual? Dos rios, ares e mares?

As estações passam e a humanidade envelhece,

Se esquece das coisas que já passaram,
Por onde o trem já passou.
Pela Lua que o homem pisou, a quantidade de gente que matou.

Por amor, por Deus, pelo País. Qual será a nova sintonia?

O radio não toca música, mas gera suas vítimas.
Estamos livres das gerações atômicas?
Seremos escravos da idiotice?
De palavras jogadas ao vento?

A arte perdeu seu lugar para o que se diz cultura.

Nossa vida passa feito uma prostituta.
Responderemos processos pelos próximos preconceitos?
Haverá uma nova inquisição?

A liberdade de pensamento só é liberta quando somos escravos,

Não podemos passar o limite daquilo que está imposto,
E se paga o imposto de se viver fora da sintonia.

Quem sabe com a mudança das estações.

Quem sabe o trem para em um novo lugar.
Onde ar, água, terra e fogo vivam em harmonia.

E a música da banda não seja coisa do diabo,

E que o diabo esteja ocupado em buscar sua própria sintonia!
Graças a Deus!!!!




AMOR ETERNO

Acordando e realizando um novo diA,
Montando nos raios do sol que me aqueceraM,
Onde a brisa se envolve nas ondas do riO,
Renascendo da penumbra perdida no amanheceR.

Enfileirado pelas ideias que num canto se esquecE,
Ter novas esperanças como um novo MagnificaT,
Em busca de um salvador que ninguém mais entendE,
Rasgando as aparências para algo bem maioR,
Nas buscas infinitas pelo começar de um novo AeoN,
O tempo nos mostra e aponta que finito é o UniversO.



BELA FADA

Quando eu te conheci, dançando entre as flores do jardim,
Ao som da flauta de bambu, um sopro soando sem fim,
O balé das fadas sincronizando os raios solares,
As musas dançam valsa mágica com seus pares.

E você estava tão linda em seu traje de jasmim,
Saltitando entre meus olhos, pulsando dentro de mim,
Nos passos de outra dança, em que você apareceu,
Nos meus lábios pousou e num beijo se escondeu.

E o tempo passa onde há a eternidade,
A juventude já foi um dia minha idade,
Sinto saudade do seu bailado entre as flores,
Espalhado, sorrindo e dividindo as cores.

Mas a eternidade sempre sorri para a felicidade,
Quando o amor se confunde com a fidelidade,
Passar os momentos que ninguém jamais passou,
Relembrar histórias que o destino nos contou.

E assim foi um dia, na eternidade de sua companhia,
Que levo em meu peito no caminhar do dia,
O início desta história linda,
Esperando sempre, que seja minha bela fada ainda.


VIDA

Um dia acordei, cercado de águas e de amor e de temor,
Me descobri em mim e senti que vivia dentro de um mundo,
Mas de repente aquele mundo começou ruir e havia muito calor,
E aquele mundo passou e o tempo se foi como se fosse um segundo.

Mas deste mundo pequeno, líquido e quente,
Surgiu outro, frio, tenebroso, enorme para o meu ser temente,
Vi um anjo me segurando e sorrindo com a alegria do amor,
E todo aquele pavor se foi e o anjo aliviou minha dor.

Então criança, criei o meu mundo, livre, feliz e terno,
Alguma coisa me dizia que aquele momento seria eterno,
Mas de repente, aquele mundo começou ruir e havia uma nova dor,
E aquele mundo passou e o tempo se foi como se fosse o amor.

Então, surgiram novos cabelos, novos sons, novos pensamentos,
Surgiram dúvidas, idéias, ideais que mudavam os momentos,
Vi um anjo sorrindo e segurando minha mão nestes momentos de confusão,
E toda confusão se foi mas o anjo não largou minha mão.

Um dia eu andava pelos caminhos da minha solitária vida,
Procurando alguém que talvez pudesse estancar minha ferida,
Mas de repente surgiu em meu mundo um novo anjo, um novo amor,
O anjo que me acompanhou disse adeus e me mostrou seu verdadeiro valor.

Mas neste mundo, imundo com minhas crenças vencidas,
Surgiu um outro, onde eu pude constatar a purificação tanto querida,
E o novo anjo me mostrou um novo mundo, bem mais belo que as vidas já referidas,
E aquele mundo passou e o tempo se foi como se fosse uma vida.

Então adulto, fingi ser gente grande e seguro de mim,
Para todas as perguntas respondidas eu dizia sempre sim,
Mas de repente aquele mundo começou ruir e havia uma nova questão,
E toda segurança de si era mentira, e o anjo não venceu minha solidão.

Então surgiram novos caminhos, novas buscas e novos mundos,
Alguma coisa me dizia que aqueles momentos seriam felizes,
Procurando por aquilo que se escondia dentro de meus pensamentos circundos,
Que já não me mostravam seus pedregulhos, espinhos e diretrizes.

Um dia eu chorava, sentado a beira do meu solitário caminho,
De cabelos brancos e uma bengala naquele percurso árido e sozinho,
Eis que alguém bateu em meu ombro e perguntou pra onde eu ia,
Respondi que já havia andado muito mas aonde ia, nem mesmo eu sabia.

Então velho, olhei para trás e vi quantos anjos rezavam por mim,
E minha caminhada ainda era longa, distante ainda estava o fim,
Olhei para frente e o caminho se perdia no meio do horizonte,
Perguntei a mim mesmo se um dia eu poderia beber da água viva da fonte.

Mas deste mundo meu tempo se findava e o caminho acabou,
E a alguém de outrora voltou e no meu ombro novamente tocou,
Perguntou pra onde eu ia, e eu ainda, entristecido, não sabia,
Então este alguém me explicou uma coisa que eu ainda não via.

Existem muitos caminhos, muitos mundos, muitas moradas,
E a vida passa por todos continuando em suas caminhadas,
Onde quer que a vida vá, com seus anseios e seus desejos,
Levará consigo aquilo que todos, toda a vida procuram em seus almejos,
Almejam encontrar a felicidade em tanta coisa e ela nunca saiu do seu lado,
É só abrir o coração e sentir o amor e a nobre sensação de passar por uma vida sendo amado. 

Ame e serás amado!!!

.

Nenhum comentário